Sistema da Embrapa permite neutralizar emissões de carbono em áreas de pasto

Para a obtenção dos resultados, a Embrapa desenvolveu quatro níveis de intensificação de sistemas de pastoris de produção pecuária

Fonte Embrapa | Foto: Ana Maio/Embrapa Divulgação

Um estudo realizado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) mensurou o ônus e o bônus de emissão de carbono de bovinos em pasto, identificando um sistema de neutralização de gases de efeito estufa através de recuperação de pastagem e intensificação da produção de bovinos em áreas degradadas com obtenção de crédito de carbono equivalente ao crescimento de 6,27 árvores de eucalipto anualmente por garrote.

Para a obtenção dos resultados, a Embrapa desenvolveu quatro níveis de intensificação de sistemas de pastoris de produção pecuária. Em um dos sistemas de média lotação de 3,3 unidades de animais por hectare, foi capaz de neutralizar os gases de efeito estufa de bovinos e ainda gerar créditos de carbono correspondentes ao produzido por seis árvores de eucalipto. Uma unidade animal corresponde a 450 kg de peso vivo.

De acordo com a pesquisadora da Embrapa Patrícia Perondi Anchão Oliveira, a recuperação de pastagens e a intensificação da produção de bovinos nessas áreas melhoram o sequestro de carbono e mitigam as emissões de gases de efeito estufa, além de ter um efeito poupa-terra. “Também levam à redução na pegada de carbono por unidade de produto e no número de árvores necessárias para o abatimento das emissões de gases de efeito estufa. Os sistemas de produção intensificados com média lotação animal apresentaram os melhores resultados, especialmente se computados os insumos”, explica.

De acordo com Patrícia, os experimentos permitiram obter dados por métodos padronizados e reconhecidos pela comunidade científica internacional. Além disso, os esses resultados podem ser usados para parametrização de modelos, subsidiar políticas públicas e embasar alternativas de mitigação e que deram origem aos já famosos balanços de carbono. “Não foram levantadas somente as emissões de gases de efeito estufa, mas também as remoções desses gases. Isso criou condições para avaliar os sistemas de produção com capacidade de mitigar a emissão, especialmente do metano entérico, por meio do sequestro de carbono”, explica a pesquisadora.

Essas descobertas abrem novas possibilidades de mercados internacionais, como adoção de sistemas de produção mais sustentáveis e de se obter produtos pecuários com baixa pegada de carbono. Essa “contabilidade do carbono” pode favorecer a exportação da carne brasileira, por exemplo, já que o mercado externo valoriza cada vez mais a produção sustentável.

  • Compartilhe:

© Copyright - Todos os direitos reservados - Acrioeste 2021