Pecuarista vai vencendo a batalha por preços nesta boca de entressafra

Fonte Portal DBO

A indústria frigorífica brasileira continua perdendo feio a batalha travada com os pecuaristas, que conseguem negociar os poucos lotes de boiadas existentes a preços mais altos. Nesta terça-feira, foram registrados novos aumentos nas cotações da arroba em algumas das principais praças pecuárias do Brasil.

A arroba subiu nesta terça-feira mesmo diante da notícia de desaceleração nos embarques de carne bovina na primeira semana de junho, em relação ao volume médio registrado em maio.

As exportações de carne bovina “in natura” alcançaram o volume médio diário de 5,48 mil na primeira semana de junho, com um recuo de 29% com relação ao volume praticado no mês passado, de acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex). Na comparação ao mesmo período em 2019, a baixa foi de 9,15%.

Segundo informações da FNP, na última semana, alguns frigoríficos relataram paralisação das compras por parte da China como tentativa de renegociação dos valores oferecidos pela carne brasileira. Na comparação do preço médio pago nesses primeiros cinco dias, no entanto, houve recuo de apenas 1% com relação ao mês anterior, e aumento de 12,33% com relação ao preço de junho de 2019, de acordo com dados da FNP.

Giro pelas praças

Em Goiás, os negócios de boiada gorda foram realizados a valores mais elevados nesta terça-feira, 9 de maio, refletindo a dificuldade de encontrar matéria-prima.
No Pará, o regime de chuvas regular ao longo do ano mantém os pastos com qualidade elevada e os pecuaristas conseguem especular preços mais altos pelo gado, informa a FNP.

No Tocantins, a oferta restrita de animais terminados resultou em altas nas cotações. No Mato Grosso, os preços da boiada gorda também subiram nesta terça-feira.
Em São Paulo, de acordo com a FNP, o movimento do mercado de boi gordo também é de alta. A maior parte dos pecuaristas de SP opta por reter os animais, principalmente fêmeas, visando a reposição dos rebanhos. Além disso, diz a consultoria, os frigoríficos do Estado têm sido beneficiados pelas margens atrativas obtidas com a exportação de carne bovina e, portanto, oferecem preços mais altos pelo gado que cumpre com os requisitos internacionais.

Este fator também promoveu altas nas cotações da arroba no Mato Grosso do Sul, onde a boiada também atende à demanda das plantas paulistas.

No Maranhão, as cotações subiram em função da oferta restrita de gado gordo. No Paraná, a arroba também se valorizou nesta terça-feira.

Confira as cotações desta terça-feira, 9 de junho, de acordo com a FNP:

SP-Noroeste: R$ 207/@ a (prazo)
MS-Dourados: R$ 185/@ (à vista)
MS-C. Grande: R$ 187/@ (prazo)
MS-Três Lagoas: R$ 187/@ (prazo)
MT-Cáceres: R$ 179/@ (prazo)
MT-Tangará: R$ 178/@ (prazo)
MT-B. Garças: R$ 177/@ (prazo)
MT-Cuiabá: R$ 175/@ (à vista)
MT-Colíder: R$ 171/@ (à vista)
GO-Goiânia: R$ 187/@ (prazo)
GO-Sul: R$ 187/@ (prazo)
PR-Maringá: R$ 192/@ (à vista)
MG-Triângulo: R$ 194/@ (prazo)
MG-B.H.: R$ 188/@ (prazo)
BA-F. Santana: R$ 192/@ (à vista)
RS-P.Alegre: R$ 192/@ (à vista)
RS-Fronteira: R$ 190/@ (à vista)
PA-Marabá: R$ 190/@ (prazo)
PA-Redenção: R$ 189/@ (prazo)
PA-Paragominas: R$ 197/@ (prazo)
TO-Araguaína: R$ 188/@ (prazo)
TO-Gurupi: R$ 186/@ (à vista)
RO-Cacoal: R$ 177/@ (à vista)
RJ-Campos: R$ 183/@ (prazo)
MA-Açailândia: R$ 185/@ (à vista)
  • Compartilhe:

© Copyright - Todos os direitos reservados - Acrioeste 2020