O que já se sabe sobre a nova cochonilha que ataca pastagens no Brasil?

Fonte Giro do Boi

O pecuarista brasileiro foi apresentado a um novo desafios recentemente, quando a Embrapa confirmou a descoberta da uma nova praga que ataca pastagens. Trata-se de uma cochonilha responsável por sugar nutrientes do capim, deixando as touceiras amareladas e secas, com “danos visivelmente significativos”, conforme descreveu a própria instituição em material de divulgação.

Em entrevista concedida à equipe de reportagem do Giro do Boi, a engenheira agrônoma, mestre e doutora em entomologia Fabricia Zimermann Vilela Torres, uma das pesquisadores responsáveis pela descoberta e registro da nova praga, falou sobre suas características, formas de conter os danos e como a empresa de pesquisa trabalha para ajudar os produtores a encontrar uma forma definitiva de evitar os ataques.

ORIGEM NO BRASIL

“Essa é uma praga que não é originária do Brasil, mas no País ela apareceu a primeira vez em 2018, associada à cana-de-açúcar. Os pesquisadores, na época, registraram ela em vasos, em experimento em casa-de-vegetação. Posteriormente, ela apareceu aqui na nossa unidade, mas ao mesmo tempo eu recebi algumas demandas de outros locais do País. E a gente ainda não tinha uma identificação para ela. Então a partir desse primeiro caso aqui na nossa unidade, na Gado de Corte, nós identificamos essa praga como Duplachionaspis divergens. Ela ainda não tem um nome comum associado aqui no País. Ao mesmo tempo, ela estava presente em alguns locais de São Paulo, também no Norte do País, conforme alguns relatos. A gente não sabe se se trata da mesma espécie exatamente, mas os danos levam a crer que sim”.

CARACTERÍSTICAS DO ATAQUE

“O que a gente vê de longe quando você olha o pasto atacado são manchas amareladas, que é onde ela inseriu o seu aparelho bucal. Ela é um inseto sugador, então ela insere o aparelho bucal, suga a seiva e a planta, então, começa a ficar amarelada. Depois, aquele ponto vai se espalhando, outras plantas próximas vão apresentando o mesmo dano e os pontos vão se juntando. Isso acontece numa touceira e depois em nível do piquete todo, da área toda. Então você começa a ver manchas amareladas, com folhas secas, depois isso evolui para a seca total da touceira ou do piquete todo, dependendo do nível de infestação. O que é interessante é que já notamos também que as manchas se tornam arroxeadas. A gente não sabe exatamente ainda o porquê, mas esses dois tipos de sintomas estão associados ao ataque dela”.

Touceira seca, a consequência final do ataque da cochonilha

DISSEMINAÇÃO RÁPIDA

“A gente tem essa preocupação com essa praga, que é uma praga de disseminação muito fácil e de uma reprodução muito rápida. A capacidade reprodutiva dela é muito alta. Cada fêmea daquela é capaz de produzir até 130 ovos, que ficam ali protegidos por uma massa branca, que é o que a gente vê na folha a olho nu. Se a gente levantar aquela massa, os ovinhos estão ali, logo vêm as ninfas. Então cada cochonilha daquela é capaz de produzir até 130 novas cochonilhas. Em cada folha, quantas cochonilhas podem ficar ali? […] Então a disseminação dela é muito rápida, as ninfas recém eclodidas dos ovos são muito leves, elas caminham nas folhas, então elas vão de planta para planta, elas podem ir para outras áreas através das nossas roupas, calçados, implementos. Então é muito rápido para disseminar e muito rápido para ela tomar conta de uma área toda. Essa é uma grande preocupação em relação a uma praga com esse potencial”.

“As plantas que eu coloquei no vaso aqui no laboratório, depois de cerca de um ou dois meses, já estão totalmente secas. Isso em num vaso. No campo, a gente não tem como estimar isso ainda, […] mas é muito rápido. E ainda pode estar associado à seca, então o aspecto que fica no pasto é de uma perda enorme para o produtor, um pasto totalmente seco. E se você chega perto, você vê as folhas secas com as pontuações brancas. Aquela que ainda está verde, você também vai observar as pontuações, mas você vai ver que ela esteve ali, ela participou daquele processo de secagem do pasto todo”.

ATAQUES SIMILARES

“A gente tem pragas que sugam a seiva, como o percevejo castanho, a cigarrinha, mas os sintomas são um pouco diferentes. De longe, pode até ser meio amarelado, depois seca a planta. Mas com percevejo castanho, por exemplo, você não encontra inseto ali em cima sugando, pois ele está sugando pela raiz. Você só vê o amarelado e depois seco, em reboleiras, mais características do que com essa cochonilha. Com a cigarrinha você encontra as pontuaçõesm onde o adulto está sugando a planta. A ninfa está sugando na base da planta e o adulto nas folhas. Você encontra pontuações mais esbranquiçadas do que amarelas e a planta como um todo amarelada, não em reboleiras. E aí você encontra também os insetos – ou espuma, ou inseto. Então não é fácil confundir com outro inseto. De longe, talvez o pecuarista confunda, mas se chegar perto, e agora já sabendo como ela é, será fácil de ver que se trata dessa nova cochonilha”.

ÉPOCA DO ATAQUE DA COCHONILHA

“A princípio, nós detectamos em meados de agosto, então na época seca. E por ser uma cochonilha, a gente acreditou que isso ia ficar restrito à época seca, porque as chuvas diminuíam o ataque. Então naquele ano foi na época seca, mas no próximo ano a gente detectou ela já em meados de abril e isso perdurou pelo período da seca e das próximas águas, então a gente não conseguiu associar só à seca. Ela ocorreu nas águas também e sem diminuição dessa população. Então, por enquanto, a gente não tem essa distinção pelo que a gente já viu aqui”.

CULTIVARES RESISTENTES

“A gente tem ainda que estudar isso, esse é o alvo de pesquisa aqui na Embrapa Gado de Corte. Com a cigarrinha, por exemplo, a gente já trabalha com a resistência de plantas, e seria ideal que a gente encontrasse, como a gente encontrou com a cigarrinha, uma cultivar que fosse menos suscetível ou resistente à cochonilha. Mas a gente não tem essa informação, é tudo muito novo, a gente pretende, sim, avaliar todas as nossas cultivares e obter essa informação, se tudo correr bem, se der certo, porque é uma praga nova. A gente não sabe como ela vai se comportar”.

MANEJO DE ALTURA DO PASTO PODE AJUDAR A CONTROLAR DANOS

“O que a gente já observou nos nossos estudos, e que ainda não publicou porque ainda não é possível afirmar, mas (o ataque ocorre com mais frequência) quando os pastos estão com sobra, quando a gente tem aquela palha associada, quando a gente tem um capim mais alto e, às vezes, passando até daquela altura máxima que a cultivar deve ficar. […] Então parece que a cochonilha prefere uma sobra de pasto, porque talvez crie um microclima mais adequado. Isso a gente não sabe ainda. Mas foi uma observação a campo, que de repente também vai nortear uma linha de pesquisa para frente, focada no manejo”.

PLANTA SAUDÁVEL É MAIS RESISTENTE AO ATAQUE

“A gente sempre tem recomendado aqui na Embrapa, inclusive para pragas que a gente não tem controle, como o percevejo castanho, que você foque na planta. Manter a planta saudável para que ela suporte o ataque. Uma planta mais saudável é igual a nós. (Com saúde) A gente vai suportar melhor se vier alguma enfermidade. A mesma coisa vale para a planta. Então fazer adequadamente a escolha da cultivar para aquele determinado local, para o solo da região, adubar, fazer todos os tratos culturais, não só adubação, mas fazer preparo do solo, calagem, todos os requisitos para se implantar uma pastagem com qualidade, tudo isso são também requisitos para você evitar problemas maiores com pragas. Então isso é essencial. E depois disso, implantar o manejo correto (altura de entrada e saíde do pastejo)”.

PRÓXIMOS PASSOS DA PESQUISA

“A gente pretende, então, avaliar as cultivares, avaliar se existe uma preferência por uma cultivar ou outra. Essa é a primeira coisa que a gente deve fazer. E a gente pretende continuar. De repente a gente tem alguma parceria ou encontra outras pessoas interessadas em fazer estudos na linha de controle biológico… Com a linha de químicos, a gente não trabalha, mas a gente pode ter parcerias e também sempre perseguir algo para recomendar para o produtor nesse sentido. As análises começam agora e a gente não sabe quando, mas a gente continua o trabalho e esse é um start para a gente começar essa pesquisa”.

ESTA PRAGA É A MESMA QUE A COCHONILHA-DOS-CAPINS?

O material de divulgação da Embrapa Gado de Corte sobre esta nova praga especifica ainda que esta cochonilha (Duplachionaspis divergens) se difere da cochonilha dos capins (Antonina graminis), que, conforme lembra o artigo, causa a “geada dos pastos“.

“A cochonilha-dos capins foi detectada no Brasil, pela primeira vez, em 1944, na Bahia; em 1964, no Pará; e em 1966, no estado de São Paulo. Torres (pesquisadora) explica que ‘além de as cochonilhas serem diferentes morfologicamente, a cochonilha-dos-capins ataca a haste da planta, a partir do coleto e, quando na parte aérea, fica junto aos nós, sob a bainha das folhas. Em decorrência da sucção de seiva nesses locais, a planta perde sua capacidade de rebrota, podendo até morrer, o que é conhecido como ‘geada dos pastos’. A pesquisadora enfatiza ainda que desde 1967, após a introdução do parasitoide Neodusmetia sangwani, a cochonilha-dos-capins teve seu controle estabelecido no Brasil“, consta no material compartilhado pela Embrapa (leia na íntegra pelo link).

x

  • Compartilhe:

© Copyright - Todos os direitos reservados - Acrioeste 2021