Mapa suspende retirada da vacinação contra a febre aftosa em Minas Gerais

Fonte Portal DBO

A retirada da vacinação contra a febre aftosa prevista para 2021 no Estado de Minas Gerais foi suspensa pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em razão da pandemia do coronavírus.

O Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), órgão vinculado à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), informou por meio de nota que das 42 ações estabelecidas pelo Plano Nacional de Erradicação da Febre Aftosa (PNEFA), 28 já foram cumpridas por Minas Gerais, restando apenas 14 em andamento, cujo plano de ação foi enviado ao Mapa.

“O cenário anterior ao enfrentamento da Covid-19 indicava ser favorável à retirada da vacina em 2021, haja vista que as determinações do PNEFA estavam sendo cumpridas pelo estado em tempo hábil e dentro do previsto,” diz a nota do IMA. O Estado possui cerca de 23 milhões de bovinos e bubalinos e é detentor do segundo maior rebanho do Brasil.

O diretor-geral do IMA, Thales Fernandes, reforça que “em razão da pandemia, o Mapa manifestou preocupação com a condição de avançar nas ações previstas, em especial pela queda da arrecadação e poder de investimentos dos estados”. Fernandes lembra que até o momento da suspensão da vacina contra a febre aftosa, agora sem data prevista, é importante os produtores continuarem imunizando o rebanho.

“Vamos rever nosso planejamento, buscando atingir, de forma completa, todas as ações previstas o mais breve possível. Seguimos aguardando novas determinações e análises”, afirma.

O novo status sanitário, o de área livre de febre aftosa com vacinação para área livre da doença sem a vacina, é almejado por 11 estados que compõem o bloco IV do PNEFA. Estes estados correspondem a 70% de toda a bovinocultura do país, são eles: Minas Gerais, Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

  • Compartilhe:

© Copyright - Todos os direitos reservados - Acrioeste 2020