Dieta carnívora: especialista sugere trocar ‘dia sem carne’ por carne todo dia

  • Fonte Giro do Boi

De 2018 para cá ela já se alimentou de mais de uma tonelada de carnes e demais produtos de origem animal, como ovos e laticínios, e provou que todos os seus indicadores de saúde estão positivos divulgando o resultado de seus exames médicos em seu canal no Youtube. Nesta quinta, dia 25, a advogada, graduanda em nutrição e pós graduanda em Nutrição e Estética, Jade Soller, embaixadora da dieta carnívora, influencer e palestrante concedeu entrevista ao Giro do Boi para esclarecer alguns dos mitos criadores em torno do hábito alimentar que prioriza o consumo de proteína animal, rejeitando o “dia mundial sem carne” para indicar carne todos os dias.

Em sua participação no programa, Soller falou sobre quando começou a praticar a dieta. “Desde 2018 eu sigo uma dieta estritamente carnívora. Isso significa o quê? Que eu só me alimento de coisas que sejam de origem animal, tanto carne quanto derivados de produtos de animais, como ovos, queijos, laticínios. Em uma dieta carnívora, a gente não tem espaço para frutas, vegetais e nem mesmo para alimentos processados ou ultraprocessados. Essa é mais uma forma saudável de alimentação”, sustentou.

Embora o praticante não precise excluir os vegetais da dieta, Soller ponderou que seu consumo não é uma necessidade do corpo humano. “Nem todas as pessoas precisam excluir frutas e vegetais da dieta, mas eu particularmente nunca gostei e meu corpo também não se dava muito bem. Então quando eu descobri em 2018 a dieta carnívora, para mim foi perfeito porque uniu a minha paixão pela carne, sempre gostei muito de churrasco desde criança, com aquilo que também era melhor para o meu corpo. E eu estou super saudável, super bem consumindo basicamente alimentos de origem animal”, confirmou.

A influencer explicou como funciona a dieta no seu dia a dia. “Eu praticamente faço de duas a três refeições por dia, normalmente é um café da manhã, almoço e uma janta cedo, por volta de 18h a 19h, e eu consumo carne, sim, em todas as refeições. Fica até uma dica para o pessoal de que não está escrito em lugar nenhum que, no café da manhã, por exemplo, tem que comer pão ou torrada. Você pode muito bem consumir carne, ovos ou queijos. Às vezes até eu faço um bifão de fígado no café da manhã que é para dar energia para os treinos, para você poder lidar com o trabalho pesado o dia todo”, revelou.


Apaixonada por churrasco: dieta carnívora uniu o útil ao agradável para Jade Soller.

Para que a dieta carnívora seja viável financeiramente, a graduanda em nutrição deu dicas para aproveitar ao máximo a proteína animal. “Uma coisa que eu sempre prego para o pessoal é uma dieta ‘do focinho ao rabo’. A gente lembra que não precisa só escolher as partes nobres. O brasileiro às vezes está acostumado a pensar que carne é só o que vai no churrasco, os cortes mais nobres que vão para a grelha. Mas a gente tem que ter um aproveitamento do animal por inteiro. Assim eu sempre incentivo as pessoas a consumirem as vísceras, os ossos, e a guardarem até. Às vezes você vai fazer uma carne que tem osso, guarde no congelador e depois faça um caldo de ossos para você não desperdiçar nada do animal”, exemplificou.

Soller destacou quais são os benefícios específicos do consumo de um caldo de ossos de bovinos. “Vai melhorar as suas articulações, vai fortalecer cabelo, unha, evitar o envelhecimento da pele, para mulherada é bom também para celulite, te ajuda a dormir melhor. Tem tantos benefícios no consumo desses ossos que não tem por que a gente desperdiçar. Tem que ir para o congelador e virar um belo de um caldo depois”, afirmou.

“Eu falo muito sobre isso porque a carne vermelha, infelizmente, tem um preço mais elevado. A gente está vendo nos últimos tempos um pouco da alta do custo da carne vermelha, então é possível diversificar também o consumo, incluindo frango, porco ou ovos. Outro dia eu comentei a respeito dos benefícios da moela… Dá para procurar coisas que são baratas, como o fígado, seja de galinha ou de boi, para você incluir na sua dieta. Os ossos, como a gente citou. É um jeito de deixar a dieta saudável e ainda mais barata. Então a pessoa pode não conseguir comprar carne vermelha para todas as refeições todos os dias, mas não tem problema, guarde a carne vermelha para o seu churrasco no final de semana e durante a semana inclua moela, ou cortes (bovinos) mais baratos, a proteína do frango, do porco. Tudo que for de origem animal é saudável para nós, vai nos trazer coisas boas”, frisou.

A especialista respondeu dúvida de um telespectador que perguntou se, de fato, ela não mistura a proteína com o clássico arroz e feijão. “Não, é só carne mesmo […]. É uma dieta carnívora. […] Tem um pouco de carboidrato que vem, por exemplo, do ovo, do fígado, mas a dieta é conhecida até como zero carbo porque é praticamente zerada em carboidrato, que não é essencial para o bom funcionamento do nosso corpo. A gente precisa de proteína e gordura, vitaminas e minerais. Isso a gente encontra tudo em abundância na carne. Então não é uma preocupação. Lógico que se a pessoa gosta de um arroz, feijão e salada como acompanhamento, perfeito. Mas não é obrigatório. Eu sempre brinco que o nosso corpo não tem deficiência de banana, de feijão ou arroz. Ele não precisa de um alimento específico. Ele precisa de vitaminas, minerais, proteína e gordura. Onde a gente encontra isso da melhor forma? Da carne”, esclareceu.

Jade: carnes oferecem tudo o que o corpo precisa: proteína, gordura, vitaminas e minerais.
Jade também salientou que não há problemas com relação ao consumo em excesso de proteína animal porque a sensação de saciedade regula de forma natural o apetite. “É muito difícil alguém consumir carne em excesso. Na verdade, a gente pode trocar essa recomendação por ‘evitar o desperdício’. Por que eu digo isso? Porque você não consegue comer carne além do que o seu corpo precisa. É um alimento muito denso. Quando você come, o seu corpo fica saciado. […] Como o nosso corpo precisa de proteína, precisa de gordura, quando a gente fornece isso de pronto para ele, e quando esse corpo atinge essa saciedade, você naturalmente para de comer. Então por mais que eu ame churrasco, quando eu vou em uma churrascaria, mesmo que no final, já saciada, o garçom passe com meu corte predileto, eu falo que já não dá, vai ter que ficar para a próxima, porque chega uma hora que você não aguenta comer mais”, acrescentou.

Em sua entrevista ao programa, Soller desfez alguns dos mitos a respeito da dieta carnívora e revelou que já ultrapassou a marca de uma tonelada de carnes consumidas desde 2018, quando adotou o hábito alimentar. “O primeiro mito é que as pessoas têm muito medo de engordar comendo carne, mas eu vou passar um dado interessante para o pessoal, que vai chamar atenção. De 2018 para cá, eu já comi mais de mil quilos de carne, então era esperado que eu tivesse (engordado) e eu continuo magra. Isso é importante deixar claro para o pessoal que pensa que vai engordar se comer comer muita carne. Não vai”, rechaçou.

“Eu seria a primeira a contar para vocês que carne engorda. E essa é uma preocupação dos homens e mulheres, principalmente. Carne não vai te engordar. Alimentos de origem animal não vão te engordar, pelo contrário, vão te deixar magro ou vão te ajudar a emagrecer. A gente tem uma porção de estudos informando que a proteína auxilia demais na questão do emagrecimento, então esse é um mito que precisa ser rebatido”, completou.

Outro mito a respeito da dieta carnívora é a respeito de problemas de saúde que possam ser derivados de sua prática. “As pessoas ficam com medo de terem problemas renais pelo consumo de muita proteína, ficam com medo de desenvolverem câncer, de ficarem constipadas ou terem diabetes, mas nenhum desses problemas é causado pelo consumo de carne demais. Aqui a gente tem que deixar claro que esses problemas normalmente são causados por consumo de alimentos ultraprocessados, por consumo de muito carboidrato, principalmente os refinados, na nossa dieta, e até mesmo o excesso de fibras podendo atrapalhar a constipação, e não a falta de fibras, como ocorre numa dieta carnívora. A gente inclusive tem estudos com relação a isso. Então a proteína, especialmente a proteína animal, está cercada de mitos, mas é uma preocupação que o pessoal não precisa ter consumindo proteína de origem animal e vai ver que a saúde só vai tender a melhorar”, tranquilizou.

Para provar os benefícios da dieta carnívora, a graduanda em nutrição disponibilizou conversa com um médico que fez a interpretação do uma bateria de exames com os indicadores de saúde dela, totalizando mais de 30 páginas. “Para quem tiver curiosidade sobre os meus exames, no meu canal do Youtube tem um médico analisando os meus exames recentes, de 2021. Foram mais de 30 páginas de exames que eu encaminhei para ele e, por questão de transparência, eu fiz questão de colocar no meu canal no Youtube e todos os meus marcadores de saúde estão excelentes”, adiantou.
A especialista ainda exaltou a importância de, em conjunto com a dieta, praticar exercícios para manter a saúde em dia. “Eu não sou atleta, mas eu procuro me exercitar todos os dias. A gente tem que pensar que a dieta é só uma parte da equação. Não adianta só a gente comer saudável e ficar sedentário. Isso não tem relação com o nosso passado evolutivo. Nós estamos sempre inclinados para o exercício e também para o consumo de carnes, então eu faço as duas coisas. Eu me exercito todos os dias, aos finais de semana eu faço boxe também e procuro uma vida que seja mais ativa, não ficar prostrada no sofá e nem na cama. Pelo amor de Deus, tem que treinar!”, estimulou.

DIA SEM CARNE?

A influencer fez comentários a respeito da recente ação de marketing de uma marca de cerveja que incentivou a prática do “dia mundial sem carne”, que teve repercussão negativa entre os carnívoros e a cadeia produtiva da pecuária de modo geral.

“Eu achei bastante infeliz também essa publicação porque a gente vê que muitas empresas estão entrando nessa moda de promover uma dieta isenta de alimentos de origem animal como se isso, de alguma forma, fosse superior para a nossa saúde, como se a carne fosse responsável por epidemias de doenças modernas. E o que é mais triste ainda é que essas empresas também estão navegando em discursos falaciosos de que o gado gera destruição para o planeta. O que eu achei engraçado é que eu entrei no Instagram desta marca e não vi comemoração do Dia do Churrasco – em anos anteriores, nada foi falado. Quer dizer, poderia exaltar a nossa carne ao invés de só se preocupar em exaltar um dia sem carne. E o que eu achei engraçado também é que foi uma marca de cerveja falando mal de carne. Se a gente pensar do ponto de vista da saúde, a gente não pode esquecer que não tem nenhum benefício no consumo de álcool. As pessoas consomem pela questão social, para se divertir, mas não tem nenhum benefício nutricional. Nesse caso, sim, deveria ter um dia sem consumo de álcool na nossa dieta, mas não sem a carne bovina, que é um alimento saudável. Isso não faz sentido nenhum”, reprovou.

  • Compartilhe:

© Copyright - Todos os direitos reservados - Acrioeste 2021