Cotação do milho é pressionada pelo avanço da colheita

Fonte Bolsa Brasileira de Mercadorias BBM

A semana começou com novas quedas no mercado do milho. Em Campinas, interior de São Paulo, o indicador da Bolsa Brasileira de Mercadorias apontou um recuo de 1,05% na cotação do cereal, o que puxou o preço da saca para R$ 47,00 na região e acentuou ainda mais a desvalorização mensal do insumo, que passou para 9,62% no acumulado de 30 dias.

Em Luís Eduardo Magalhães, oeste baiano, a desvalorização do milho no mês é de 5,41% e a saca aparece no patamar de R$ 35,00. A maior queda mensal do Indicador BBM é observada no interior de Mato Grosso e ultrapassa os 20%.

Confira a cotação do milho em todas as regiões

A queda nessas regiões é justificada pelo avanço da colheita no Brasil. “Após as chuvas que vieram para muitas microrregiões produtoras em uma fase importante, interrompendo o processo de maiores perdas. O momento atual deve começar a absorver a intensificação dos trabalhos de colheita do cereal”, explica Andrea Cordeiro, consultora em commodities e hedge, ligada ao Grupo Translabhoro, associado à BBM.

Andrea explica que, para o mercado externo, mesmo com a moeda brasileira desvalorizada, nosso milho concorre com a oferta mais barata de outros países exportadores e a paridade de exportação não favorece grandes performances de volume. “Algumas cargas vêm saindo de forma pontual à medida que o Brasil oferece uma logística mais ajustada que a Argentina, mas não oferecem no momento atual um risco de concorrência de preço para a indústria nacional”, pontua.

Já no mercado doméstico, Andrea destaca que, após preços altos praticados durante o mês de maio, o interesse comprador da indústria recua à medida que os compradores se mostram abastecidos. “Esse perfil do comprador interno contribui para preços pressionados no curto prazo”, finaliza.

O início da colheita do milho pressiona as cotações pois também corrobora para o indicativo de um crescimento recorde na safra de grãos do país. O milho total, somando as três safras, deve registrar um volume histórico de 101 milhões de toneladas no Brasil, com uma área total de 18,5 milhões de hectares. Os números fazem parte do 9º Levantamento da Safra 2019/2020 divulgado este mês pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

O cereal é um dos produtos mais negociados por meio das 140 corretoras de mercadorias da Bolsa Brasileira de Mercadorias que é também responsável pela comercialização dos leilões de milho da Conab.

  • Compartilhe:

© Copyright - Todos os direitos reservados - Acrioeste 2020