Água: opções para uso e armazenagem nas cadeias de produção agropecuárias

Por Raphael Poiani | Scot Consultoria

Os sistemas de produção agropecuários dependem da água. Apesar de essencial, é comum não se dar a devida importância a ela e até ser desprezada ao se avaliar sistemas produtivos.

Na agricultura, a água é decisiva para o sucesso ou fracasso da produção. Sua falta em fases essenciais impossibilita, por exemplo, a germinação das sementes, o crescimento da planta e o desenvolvimento de grãos ou frutos. A água na produção de animais é imprescindível, responsável pela manutenção da vida.

É essencial dar atenção à quantidade de água que um animal consome, para não limitar a capacidade produtiva relacionada a esse fator.

Na bovinocultura leiteira, por exemplo, o consumo máximo ocorre em vacas lactantes, de até 64 litros de água por dia (Palhares, 2013). Na suinocultura, o maior consumo é em matrizes em lactação, de 12 a 20 litros por dia (Embrapa).

A água está também ligada à limpeza, principalmente em baias concretadas de suínos e áreas de ordenha/sala de espera na bovinocultura de leite.

A água é um recurso limitado, mas muitos acreditam que esse recurso é infinito. Como a água oceânica não pode ser consumida sem tratamento, de alto custo, resta a água doce (2,5% do total).

A captação e a reutilização da água devem ser pensadas visando a sustentabilidade do agronegócio.

Captação da água pluvial

A captação da água da chuva é uma alternativa, e esse método de captação, em relação aos demais, é de custo baixo.

A qualidade da água captada é boa, podendo ser utilizada no cotidiano agrícola, como limpeza e para o consumo dos animais.

O método tem sido utilizado em regiões onde os níveis de água das fontes abastecedoras caem drasticamente na seca, sendo a água armazenada em reservatórios.

Para determinar, por exemplo, a quantidade de água captada por telhados utiliza-se a fórmula citada por Palhares (2016).

Cálculo de captação

O potencial de água de chuva a ser captada pelas áreas de cobertura:

Vchuva = A × P × C
Onde:
Vchuva = volume de água da chuva a ser captado (m³)
A = área de cobertura (m²)
P = precipitação anual na região (metro/ano)*
C = fator de escoamento da cobertura**
* dividir milímetro por 1.000 para converter em m/ano
** Sugere-se utilizar o valor de 0,8, independentemente do tipo de cobertura.

Contaminantes e o reuso da água

Quando utilizada para a limpeza na produção animal, a água é contaminada por restos de ração, excretas e outros agentes, sendo necessário o tratamento dos dejetos.

A cada mil litros de água que é desperdiçada e contaminada por dejetos animais, o produtor tem um custo de até R$7,50 para o tratamento e distribuição do volume adicional (Embrapa 2016).

O reuso dessa água já é prática comum em sistemas de produção e ocorre após passar por processo de decantação dos sedimentos na área de armazenamento de resíduos sólidos, tratamento dos resíduos e captação da lâmina de água gerada pelo sistema de escoamento, possibilitando, após o tratamento, sua reutilização em processos como o de limpeza, não devendo voltar como água potável aos animais.

Conclusão

A importância da água nos sistemas de produção e a necessidade de antecipar o consumo é pré-requisito para o estabelecimento de sistemas produtivos racionais e sustentáveis.

Existem alternativas para redução do custo de captação e para manter o abastecimento mesmo em regiões que sofrem continuamente com a seca.

A reutilização é um fator benéfico para o meio ambiente, evitando uma nova captação da água para limpeza e outras atividades. Sendo um recurso limitado, evitar o desperdício, e o reuso, são atitudes de sustentabilidade do negócio.

  • Compartilhe:

© Copyright - Todos os direitos reservados - Acrioeste 2021